clinicas de tratamento involuntario 1 2

Clínicas de tratamento involuntário

Clínicas de tratamento involuntário

Comecei a perceber a mudança de comportamento de meu filho. Depois, as faltas ao serviço sem justificativa, dias sem aparecer em casa e sem dar notícias. Ele começou a emagrecer, começou a andar sujo pelas ruas. Comecei a questionar – vieram as primeiras agressões. Então, resolvi aceitar o que até o momento não queria enxergar: – Meu filho era um drogado”…

Pais e mães ficam receosos e sem ação quando descobrem um filho ou uma filha usuário (a) de drogas. Primeiro vem o choque, depois o desespero, e por último – o que fazer? – Alguns tentam o diálogo, a reaproximação, terapias em grupo; mas nada surte efeito.

O problema?  Exatamente o que o próprio nome diz: dependentes químicos. Estas pessoas já não tem mais liberdade sobre suas ações, viraram escravas do vício. E, para muitas a luta nem começa, pois, perde-se a vida ainda no meio do caminho. Outras, não aceitam que são doentes e precisam de ajuda; simplesmente criam um mundo e se escondem dentro dele.

Então, o que fazer? – Para alguns, a solução é a “Internação Involuntária”.

O que é internação involuntária? – É a utilização de meios legais como parte de uma lei para internar uma pessoa contra a sua vontade, ou sob seus protestos. Apesar de gerar controversas tanto por parte de familiares quanto por parte de juntas médicas, é um procedimento legal e muitas vezes, a única solução.

Porém, não é toda clinica que pode exercer esta intervenção. Para isso, ela tem de ter registros que autorizem este procedimento. Segue abaixo os itens necessários:

– Alvará de Funcionamento emitido pela prefeitura;
– Autorização da Vigilância Sanitária; Inspeção do Corpo de Bombeiros;
– Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES);
– Autorização do Conselho Regional de Medicina do Estado.

Como proceder:

Deve-se fazer uma solicitação de internação a clinica. Em seguida, o ministério público é avisado, de acordo com as determinações da portaria federal nº 2.391/2002/GM e da lei 10.216. Porém, o processo só é feito com diagnóstico médico de clínico especialista em dependência química.

Quem pode fazer este pedido? – Apenas pai, mãe, irmãos… Ou seja, familiares consanguíneos. Cônjuges não têm permissão para autorizar este procedimento.

Os itens acima e os procedimentos descritos são essenciais para uma internação legalizada. Se a clinica não dispuser dos documentos e o diagnóstico não for emitido, a internação não pode ser realizada.

Verificados os itens que legalizam o procedimento, não deixe também de averiguar se o estabelecimento tem suporte para receber pessoas nesta situação. É importante o acolhimento que o dependente terá, pois, serviços eficientes e de qualidade são a chave para o sucesso da recuperação.

A dependência química, sobretudo em casos de drogas como o crack, costuma deixar o indivíduo refém da substância, sem a capacidade de avaliar o mal que ela faz a si e às pessoas que estão próximas. Com isso, por mais evidentes que sejam os danos causados pela dependência (no trabalho, nos estudos, nas relações sociais e afetivas), o dependente químico rejeita qualquer possibilidade de tratamento.

A família, por outro lado, muitas vezes pega de surpresa, não sabe que atitude tomar diante de uma situação tão séria. E neste caso, a decisão mais correta é internar a pessoa, ainda que contra sua vontade. A possibilidade de recuperação deve prevalecer sobre a certeza de que as drogas levam a caminhos que vão da desorganização familiar até a morte por overdose ou outras consequências do uso de substâncias.

Há casos em que o dependente químico já passou por uma série de internações voluntárias em clinicas de recuperação, grupos de auto-ajuda, sem sucesso, e por isso não queira mais se tratar, por mais que o problema persista. Nestas ocasiões a internação involuntária também é recomendada, desde que realizada por profissionais capacitados, em clinica especializada no tratamento.

Vale destacar que a família, quando decidir pela internação involuntária, deve verificar se a instituição tem autorização legal e possui equipe profissional capacitada tanto para a remoção do paciente quanto para a realização do tratamento em uma clinica especializada. A Clínica de  recuperação é uma das poucas instituições, no Brasil, plenamente aptas para este trabalho, com equipes treinadas para garantir o bem-estar do paciente do momento que deixa sua casa até o retorno ao lar.

As Clínicas de tratamento involuntário possuem os melhores tratamentos involuntários do Brasil atendemos a modalidade de tratamento contra a vontade do paciente as clinicas de tratamento involuntário devem ter documentação que autoriza a executar os procedimentos de internação de um dependente de drogas álcool ou de transtornos psiquiátricos mesmo que contra a sua vontade.

O atendimento nas clinicas de tratamento involuntário são tão eficientes quanto o tratamento que o próprio dependente de drogas ou alcoólatra procura, na maioria dos casos quando o sujeito usuário de drogas ou de álcool procura a internação coloca uma série de impeditivos para desenvolver o seu próprio tratamento, no caso as clinicas de tratamento involuntário possui uma dinâmica de acolhimento diferenciado com o paciente que está sendo internado pela a sua família, este atendimento é particularmente melhor acontece um choque de realidade no processo de internação do paciente, ele acaba percebendo que realmente não tem mais condições de responder por seus atos e acabou sendo internado por ter perdido o controle de sua vida.

Nas Clínicas de tratamento involuntário do centro terapêutico especializado possuímos toda documentação necessária para atender a modalidade de tratamento contra a vontade do paciente.

Nosso Projeto terapêutico contínuo busca reorganizar a harmonia e a auto-estima da família, favorecendo a redução dos riscos de recaída do paciente, para mais informações, entre em contato conosco!