O que fazer quando alguém está usando drogas

Ainda é comum as pessoas acharem que o dependente químico está usando drogas porque quer, porque é fraco, porque não tem caráter. Está na hora de quebrar estes mitos de uma doença grave, mas para a qual tem tratamento.

Para quem vê de fora, é fácil julgar o comportamento de um usuário. Já a família, para quem é muito difícil conviver com a situação, é preciso ter outro olhar. É óbvio que desorientada, a família muitas vezes fica sem saber como absorver a situação. Ainda mais em situações extremas em que o usuário tem uma overdose, ou quando lida com perdas materiais, sem contar com o preconceito social.

Para o próprio dependente, olhar para seu comportamento pode ser um grande desafio. Um exemplo comum: no dia seguinte ao exagero de alguém que mais uma vez abusou do álcool e sofreu as conhecidas conseqüências, é fácil ouvir os comentários de colegas: “Fulano não sabe beber”, ou “Ele é muito fraco pra bebida”.

Da experimentação à dependência química

Quem experimenta drogas faz isso por opção, por diversão, influência de amigos. A partir daí a coisa se torna diferente, se a pessoa tem uma pré-disposição à dependência química. Quando menos percebe, está usando para amenizar as angústias do dia-a-dia. Posteriormente, se afasta de tudo e de todos e vê na substância a solução (ou o alívio imediato) para todos seus problemas. É neste momento em que a doença está instalada e o que era questão de escolha passa a se tornar dependência.

Este é o momento em que aparecem as brigas e discussões com a família, a piora no desempenho escolar, a venda de objetos para comprar drogas. Tudo passa a girar em torno do consumo de drogas.

Então, o usuário não consegue mais ficar sem usar drogas. Não há mais opção, embora muitas vezes ele afirme o contrário (o famoso “Eu paro quando quiser”). Porém, neste ponto a pessoa não escolhe se vai usar drogas ou não. A doença tirou dela essa liberdade.

Assim, sem um tratamento completo e estruturado, acreditar que, por si só, a força de vontade do dependente químico em parar será suficiente para não usar drogas é certamente um tiro no escuro. Mesmo porque a tentativa frustrada de parar é um dos sinais de que a doença já está instalada, como veremos a seguir.

Então a dependência química é uma doença?

Sim, a Organização Mundial de Saúde (CID – 10 – F10 ao 19). É uma patologia que tem controle e tratamento. Por isso, é preciso um tratamento com profissionais da área da saúde.

Para diagnosticar a doença, especialistas sintetizaram sete critérios principais. Caso três ou mais dos critérios abaixo se manifestarem no período de 12 meses, a dependência química está instalada.

Tolerância

Alguns usuários de crack afirmam que nunca conseguiram a mesma sensação causada pela primeira pedra. Isso se explica porque com o passar do tempo, o organismo vai se tornando tolerância à substância, fazendo com que o usuário aumente a quantidade para conseguir o mesmo efeito. Ao mesmo tempo, quando em abstinência, sente uma falta incontrolável da substância. Isso acontece com todas as drogas, inclusive com o álcool e com a nicotina.

Síndrome de abstinência

Quem fuma sabe o quanto ficar sem o cigarro causa mal estar, falta de concentração e às vezes até desespero. Com as demais drogas, lícitas ou ilícitas, acontece o mesmo, com maior ou menor intensidade.

Percepção de compulsão

A pessoa que costuma exagerar na bebida às vezes diz para si mesmo: “Só mais esta dose, depois eu paro”… E, no fim, acaba por repetir isso até não se lembrar de mais nada. Neste caso, até percebe a compulsão pela bebida (ou outra droga), mas não consegue evitar o consumo.

Alívio ou evitação dos sintomas

A pessoa começa a usar drogas para aliviar a crise de abstinência ou para evitá-la. Sensações físicas e psicológicas acabam atormentando a vida do usuário até que ele recorra à droga para ficar bem. Quem tem problemas com álcool, por exemplo, frequentemente acorda com as mãos trêmulas, angustiada, e por vezes substitui o café da manhã por bebida alcoólica.

Estreitamento de repertório

A pessoa começa a direcionar suas ações com a única finalidade de obter drogas. Há diversos relatos de pessoas que perderam bens materiais para consumir drogas ou pagar dívidas, ou casos em que o dependente chega a furtar objetos de casa para sustentar a dependência.

Relevância do consumo

O usuário se afasta de atividades antes prazerosas, da família, e até se prejudica no trabalho por conta de passar tanto tempo consumindo drogas. O uso se torna mais importante que qualquer outra atividade em sua vida.

Tentativa frustrada de parar

É o estágio em que o dependente químico, durante o período de abstinência, percebe o estrago que a droga está causando em sua vida, tenta parar, mas não consegue.

Caso alguém da sua família esteja apresentando sintomas como estes, entre em contato por este link e veja as melhores formas de tratamento para esta pessoa.